Como Ser Lembrado…ou esquecido. O Poder da Sua Marca Pessoal

be memorable1

 

Introdução

Em todo o mundo, é cada vez maior o número de profissionais preocupados com o  fortalecimento da marca pessoal, pois perceberam que ela abre portas na vida profissional e pessoal.

Em uma entrevista de emprego, por exemplo, as corporações avaliam não somente o currículo e as habilidades do candidato, mas também o seu comportamento durante a conversa. Antes de promover alguém, as empresas analisam, além da sua experiência profissional, o seu comportamento, sua comunicação interpessoal e sua inteligência emocional. Estes pontos são cada vez mais valorizados e, algumas vezes, podem ser o critério para sua carreira deslanchar ou estagnar.

Portanto, investir no desenvolvimento da sua marca pessoal tornou-se essencial, principalmente neste momento, em que a situação econômica do país está difícil e a concorrência cada vez mais acirrada.

E aqui eu tenho que falar uma coisa que pode ser uma grande surpresa para você.

Você já possui uma Marca Pessoal!

Sim! As pessoas ao seu redor já possuem uma percepção das suas características, tanto boas, quanto ruins. E isso reflete diretamente como as pessoas se comportam com você no âmbito social e profissional.

Por outro lado, em relação ao marketing pessoal, é interessante notar como a maioria dos profissionais já conhece sua necessidade, e mesmo assim não fazem nada a respeito. Muitos por não saberem como e outros pelo receio de parecerem arrogantes.

Mas o marketing pessoal bem feito faz com que você seja notado por suas qualidades, habilidades e competências, desenvolvendo e fortalecendo sua marca. E você não deve confundir humildade com anonimato.

Quer exemplos práticos?

Você já viveu situações em que fez tudo certo, e, apesar disso, alguém que tinha a mesma função dentro da empresa e exercia as mesmas atividades ou responsabilidades foi promovido, recebeu aumento de salário e freqüentemente é citado como exemplo, enquanto você nem ao menos é lembrado?

Ou, ao contrário, abre uma vaga de gestor em sua empresa, você tem um currículo tecnicamente perfeito, mas outra pessoa com menos certificações é escolhida?

Sabe por que isso acontece?

O 1º caso você pode não ter conseguido mostrar da forma correta os seus resultados, ou seja, não trabalhou direito o seu Marketing Pessoal; e no 2º caso, mesmo você sendo ótimo tecnicamente, a sua reputação na empresa era de uma pessoa autoritária e intransigente, o que dificultava seu relacionamento com seus pares. Ou seja, você possui uma Marca Pessoal que impossibilitou sua ascensão profissional.

Consegue perceber a diferença entre os dois casos?

A marca pessoal é o conjunto de características psicológicas, morais e comportamentais que fazem com que você se diferencie das demais pessoas. No fundo, ela é a sua essência, algo único que você possui e que os outros reconhecem. Ela envolve a reputação que você constrói em torno de seu nome e ao se relacionar com as outras pessoas.

E o Marketing Pessoal é o conjunto de estratégias e ações utilizadas para obter mais visibilidade às suas características, habilidades e competências. Em resumo, é o que você faz para desenvolver e consolidar sua marca pessoal.

Mas como desenvolver a sua marca e como usar o marketing pessoal para consolidá-la? Como são duas áreas diferentes, vou passar alguns passos essenciais para que você possa trabalhar ambas.

Parte 1 – Autoconhecimento

Os especialistas costumam dizer que a marca pessoal é da essência à aparência. Uma marca poderosa é consequência de um autoconhecimento profundo, um olhar consciente e crítico sobre si mesmo, bem como do resultado das suas interações pessoais e profissionais.

Daí a importância de você investir um tempo para distinguir os pontos que compõem a sua marca e, ao mesmo tempo, observar como você a expõe no seu dia a dia. Como a maioria das pessoas não possui a consciência de como fazer tal coisa, eu separei um conjunto de dicas e exercícios práticos para começar a perceber (ou reforçar) a sua marca pessoal.

Você deve começar se perguntando:

Sua marca pessoal é aquela que você deseja? Ela reflete sua essência? Você se vê como as pessoas te veem? Vamos entender como trabalhar para melhorar isso.

  1. a) Identifique os seus Pontos fortes e fracos

Ao longo da sua vida profissional você desenvolveu um conjunto de habilidades que o tornam único e que deve contribuir para a sua marca pessoal. Você deve fazer um inventário de todas essas competências (técnicas e comportamentais) e dos seus talentos. Como não temos o hábito de cultivar esse olhar interno, pode ser que você sinta alguma dificuldade em elaborar essa lista. Se for o caso, aqui vão algumas perguntas para te ajudar:

O que você faz muito melhor do que os outros?

Quais atividades você realiza sem ver o tempo passar?

Que atividades você aprendeu muito rápido, e logo estava imaginando novas maneiras de realiza-las de forma mais rápida e eficiente?

  1. b) Quais são os seus Valores mais importantes?

Os seus valores compõem sua identidade e estão por trás de todas as suas decisões, às vezes de forma inconsciente. Portanto, você precisa definir quais são os valores que deseja comunicar para as pessoas.

Pense sobre os princípios que são de extrema importância para você, que refletem nos seus relacionamentos pessoais e profissionais, que guiam suas atitudes e comportamentos.

Um exercício que pode ajudar é listar 5 pessoas que você admira muito, sejam elas amigos ou famosos. Liste o por que você as admira. Todo ser humano busca seus semelhantes, por isso, admiramos pessoas que possuem os mesmos valores que os nossos. Por meio desse exercício, você terá uma ideia do que é mais importante para você.

  1. c) O que já falam de você

Qual é a imagem que você possui hoje? É essencial você saber o que pensam e falam de você para saber o quanto a sua marca atual corresponde ao que você deseja passar às pessoas. Assim, você poderá realizar os ajustes necessários.

Peça ajuda aos seus amigos, familiares, pares e gestores (atuais e antigos), pois as pessoas do nosso convívio tem uma visão mais clara de quem nós somos. Elabore um pequeno questionário de feedback e envie para no mínimo 10 pessoas. Aqui estão alguns exemplos de perguntas que você pode fazer para eles:

Para qual atividade/assuntos você pediria minha ajuda?

Quais são os meus Pontos Fortes (competências, talentos ou habilidades)

Quando você pensa em mim, qual a primeira característica que vem na sua mente?

Quando você obtiver as respostas, compare com a marca pessoal você deseja passar e identifique os pontos de melhoria.

  1. d) Qual é a Sua Marca Pessoal?

Ok, agora compile todas as características obtidas nos exercícios anteriores e escolha quais são os pontos que você considera a sua marca pessoal. Podem ser quantos você quiser, mas leve em consideração o mercado e os ambientes em que você atua. Outro ponto a considerar é que, quanto mais características você quiser incluir, mais difícil será implementar no seu dia a dia.

Eu sugiro que, para começar, você se limite a 5 ou 6 no máximo. Essas características devem realmente refletir quem você é, ficando aparentes para qualquer pessoa que você venha a conhecer ou que já conheça.

Elas compõem a sua Marca Pessoal.

Parte 2 – Como você quer ser visto e lembrado?

Agora que você já conhece a sua Marca, você deve saber como desenvolvê-la e consolidá-la junto aos seus relacionamentos. Isso é obtido a partir do gerenciamento das  estratégias e ações que você vai utilizar.

O gerenciamento da sua marca consiste em você promovê-la através da sua comunicação presencial e online, explorando todas as ferramentas disponíveis, sejam mídias sociais, networks, eventos, etc.

Isso demanda planejamento, cuidado, atenção e disciplina de sua parte. Mas os resultados compensarão, pode ter certeza. A seguir, veremos algumas destas estratégias que você pode colocar em prática no seu dia a dia.

  1. a) Fique atento as oportunidades

Muitas vezes omitimos nossa opinião por medo do julgamento alheio, seja em uma roda de amigos ou numa reunião de trabalho. Essa é uma ótima maneira de não cultivarmos nossa marca pessoal. Sempre que você identificar uma oportunidade de mostrar o que sabe ou emitir uma opinião balizada em seu conhecimento ou em suas habilidades, faça isso. Aqui eu cito alguns exemplos de situações práticas onde você pode mostrar seus pontos fortes de maneira assertiva, sem ser arrogante:

Persuasão: contar ao gestor como desenvolveu bem uma negociação em que a empresa ganhou um contrato

Resolução de conflitos: intermediar uma discussão entre colegas

Acolhimento: perceber um colega triste ou incomodado e ir perguntar se está tudo bem

Planejamento: citando algum erro em algum projeto que o restante da equipe não viu

  1. b) Cuide da sua imagem online

Eu fico impressionado como as pessoas sabem que devem se vestir e se portar adequadamente de acordo com o ambiente que frequentam, mas, infelizmente, não levam essa sabedoria para o mundo online.

É muito comum vermos pessoas “gritando” opiniões radicais e brigando nas timelines com quem não concorda com elas; publicando fotos de momentos embaraçosos ou usando as redes como “muro das lamentações”; outros parecem querer mostrar para a sociedade que levam uma vida perfeita, que todos sabemos que não existe.

Todas estas atitudes dizem muito sobre você. E não se iluda, pensando que headhunters, gestores ou clientes não vão olhar sua timeline pessoal antes de contratar você ou comprar seus produtos e serviços.

O ambiente digital é um ótimo lugar para você ganhar visibilidade boa ou ruim. Se for usado de forma inteligente, muitas oportunidades podem surgir. Feliz ou infelizmente, devido ao grau de conexão em que estamos inseridos, tornou-se impossível dissociar nossa imagem física da online. Se você deseja desenvolver uma marca poderosa, que alavanque sua carreira, deve se preocupar com o que publica.

  1. c) Saiba falar e escrever corretamente

Essa dica parece muito óbvia, mas, infelizmente não é. No nosso mundo altamente conectado, cheio de termos técnicos, siglas e abreviações em mensagens de WhatsApp e Facebook, tornou-se evidente o descuido e o desconhecimento das regras do português.

E, se você quiser passar uma imagem profissional e competente é essencial saber se comunicar de forma correta, seja conversando ou escrevendo. Portanto, se essa é uma deficiência, busque saná-la o mais rápido possível.

 

  1. d) Tenha uma rede de contatos ativa (ou aquecida)

Possuir uma rede contatos profissionais é imprescindível, nos dias de hoje, seja para alavancar sua carreira ou sua empresa. O networking, mais do que trocar cartões, é a chance que você tem de se fazer notar e aproximar-se de profissionais interessantes.

O primeiro passo é quem você vai incluir na sua rede. Você deve fazer uma pesquisa de mercado para identificar quem são os profissionais que você deseja conhecer, onde eles trabalham e por que seriam contatos interessantes.

Essa busca não deve ser aleatória. É essencial que você tenha feito antes o seu planejamento de carreira, pois a escolha dessas conexões será baseada em pessoas que possam alavancar esse planejamento.

Mas para que essas pessoas sejam contatos valiosos, que se sintam seguras para te contratar ou indicar, existe a necessidade de você criar um relacionamento com elas. E isso não se consegue simplesmente ligando para a pessoa sempre que precisar de emprego.

Conecte-se com esses profissionais no Linkedin e, se eles forem da sua cidade, marque um almoço ou café para conhecê-los profissionalmente. Se a agenda não permitir, marque um Skype. E prepare-se para conduzir a conversa, uma vez que foi você quem a solicitou.

  1. e) Cause uma ótima 1ª impressão

Esse item complementa o anterior, pois de nada adianta contatar pessoas estratégicas se você também não se mostrar interessante para elas. O melhor networking segue a política do ganha-ganha.

Sabemos que a nossa imagem começa a ser construída na mente das pessoas a partir do 1º contato que temos com elas. É a famosa boa 1ª impressão. E, mesmo assim, ainda é grande a quantidade de pessoas que não sabem como fazer isso. A maioria pensa que basta se vestir de maneira adequada à ocasião, sorrir, olhar nos olhos, etc.

Essas coisas são importantes, mas você precisa buscar maneiras de ser lembrado pelas pessoas, pois isso facilitará a continuação do relacionamento posteriormente, fortalecendo sua rede de contatos.

Para isso é necessário que você saiba gerar conexão e interesse na outra pessoa durante a conversa. Aqui vão alguns pontos que você deve considerar quando conhecer pessoas novas (ou se relacionar com quem já conhece):

Seja Positivo

Você já reparou que ao conversar com uma pessoa que fica reclamando o tempo todo de tudo, falando mal dos outros, visivelmente mal humorada e estressada, saímos cansados, como se tivessem sugado nossa energia?

Por outro lado, quando conversamos com alguém que sorri o tempo todo, fala de forma otimista sobre tudo, procura ver o lado bom da vida, saímos energizados e contentes por ter desfrutado daqueles momentos?

Pois é, ninguém gosta de se relacionar com gente pessimista e mal humorada. Portanto, se você deseja que as pessoas gostem da sua companhia e se lembrem de você, seja positivo e otimista.

Se Interesse pelas Pessoas

Todo ser humano adora ser ouvido. Quando estiver conversando com alguém, demonstre interesse sincero nos projetos pessoais e profissionais dessa pessoa. Preste atenção ao que ela diz, não fique apenas esperando uma pausa para atalhar com a sua própria opinião.

Ajude antes de pedir ajuda

Já comentei antes do valor da reciprocidade, que é o desejo de retribuir qualquer ajuda que recebamos. Tendo isso em mente, sempre busque, sinceramente, maneiras de ajudar as pessoas.

Por exemplo, quando conhecer pessoas em eventos, procure descobrir as suas preferências e fazer algo por elas. Ações informais, como indicar um bom livro ou filme, relacionado ao assunto que vocês estão conversando, indicações de restaurantes, cabeleireiros, lojas, também podem ser úteis. E você ainda pode usar isso para criar um novo encontro ou conversa. Lembre-se que você precisa se relacionar com as pessoas para imprimir sua marca na lembrança delas.

Mesmo que não consiga fazer isso no primeiro contato, fique atento para futuras oportunidades. Veja bem, não significa ser interesseiro, e sim, possuir um desejo sincero de ser útil. Assim, quando você precisar, tem grandes chances de ser ajudado.

 

 

Conclusão

Todas essas dicas são simples de serem praticadas, mas requerem um pouco de disciplina e treinamento. Também é importante que você sempre reavalie os impactos que está causando e o feedback das pessoas. Assim, você verifica se os seus esforços no desenvolvimento da sua marca estão dando resultados e se estes resultados estão de acordo com o que você deseja.

Uma marca poderosa, desenvolvida a partir da sua essência, e gerenciada com estratégias e  ações consistentes, pode gerar uma reputação sólida, alavancar sua carreira ou empresa e posicioná-lo como referência em sua área de atuação. Pense nisso.

* Artigo escrito por Eduardo Correa

Coach de Mudança de Carreira, especializado em ajudar profissionais insatisfeitos, frustrados ou estagnados a escolherem uma nova área de atuação dentro da própria profissão ou em outra diferente, mais alinhada com as Habilidades que possuem e com sua Personalidade.

 

 

Leave a Reply